Infecção Urinária

Tratamentos

A Infecção do Trato Urinário (ITU) é uma doença extremamente freqüente, que pode ocorrer em todas as idades e em ambos os sexos. É definida como uma infecção que acomete qualquer parte do sistema urinário, desde os rins até a bexiga e a uretra. É causada por microorganismos, em geral bactérias, que atingem o trato urinário por via uretral e sobem para a bexiga e, eventualmente, para o trato urinário superior.

Em geral, os sintomas estão relacionados ao órgão afetado. Quando a bexiga (cistite) ou a próstata (prostatite) estão envolvidas, é comum haver aumento da frequência urinária (polaciúria), dor para urinar (disúria), micção imperiosa (urgência), febre (na prostatite) e sangue na urina (hematúria). Quando o rim está envolvido, além dos sintomas acima poderão ocorrer: dor lombar, febre, calafrios, náuseas, vômitos e mau estado geral.  Observa-se ainda, com muita frequência, alterações do aspecto e odor da urina, que torna-se turva, opaca e fétida.

Na população adulta, as mulheres são mais afetadas do que os homens. Atribui-se essa maior incidência em mulheres, às questões anatômicas. A uretra masculina é mais longa e oferece maior dificuldade às bactérias para atingir a bexiga. A partir dos 50 anos, o surgimento de doenças prostáticas torna o homem mais susceptível à doença. As bactérias mais frequentes em ITUs são aquelas presentes na flora intestinal ou enterobactérias.

O diagnóstico é feito pela sintomatologia e pelos exames de urina. A análise do sedimento urinário permite a identificação de bactérias e de numerosos glóbulos brancos que sugerem fortemente a infecção urinária. O diagnóstico definitivo, entretanto, só é possível por meio da cultura urinária, que permite a identificação detalhada da bactéria envolvida, assim como sua sensibilidade aos antibióticos (antibiograma). Nesse mesmo exame, vários antibióticos são testados com a finalidade de orientar o médico na escolha do melhor tratamento.

O tratamento inclui: ingestão de líquidos, cuidados de higiene e uso de antibióticos. A gravidade dos sintomas também influi na escolha da medicação, sendo que em alguns casos há a necessidade de internação hospitalar para melhor controle do paciente e para administração venosa de antibióticos.

Em pacientes com predisposição a ITUs, algumas medidas podem ser utilizadas para ajudar na prevenção de novos surtos. A ingestão hídrica adequada, evitar grandes distensões da bexiga, o uso de vitamina C e substâncias naturais como o suco de cranberry podem auxiliar neste objetivo.